5 padrões mentais que levam à lenta autodestruição

Tempo de leitura: 2 minutos.

A maioria das pessoas não quer deixar de existir. Pelo menos de forma consciente. Vamos deixar suicidas ou outras patologias de fora, ok?

Se nós não queremos deixar de existir, por quais razões temos comportamentos autodestrutivos?

(se você está com pressa pule os próximos dois parágrafos)

Comportamentos são consequência. Nós não mudamos comportamentos diretamente. Nós mudamos a forma de pensar, a forma de interpretar, a forma de sentir e isso muda comportamentos.

Se queremos mudar comportamentos autodestrutivos precisamos mudar nossos pensamentos autodestrutivos. Pensamentos autodestrutivos são criados, mantidos e amplificados por conta de hábitos ou padrões mentais que se enraizaram na nossa mente subconsciente e influenciam nosso dia-a-dia.

Estas são 5 das crenças mais corrosivas que as pessoas tem, e que provocam pensamentos e por consequência, comportamentos autodestrutivos:

  1. Não tenho tempo. Esta é uma crença pestilenta. Pessoas não ficam com suas famílias, não desenvolvem suas empresas, não cuidam de sua saúde porque “não tem tempo”. Sério? Mas tem tempo pra trabalhar 16 horas por dia. É isso?
  2. Sou muito jovem para isso. Esta crença limita porque produz pensamentos e comportamentos de “esperar o tempo certo”. Existe tempo adequado e tempo inadequado. Não existe tempo certo ou tempo errado. Esperar para se fazer o que precisa se fazer “para se ter a maturidade certa, a experiência certa, idade suficiente” é o mesmo que jogar fora uma série de oportunidades para mais tarde. E se a oportunidade mais tarde não aparecer?
  3. Sou muito velho para isso. Ao longo da minha trajetória como coach me surpreendo como ultimamente pessoas cada vez mais jovens entregam essa “crença” para não fazerem o que amam, para não fazer o que deve ser feito, para construir o que deve ser construído. Lamentável.
  4. Não tenho dinheiro. Esta é a crença “queridinha” de tanta gente. Não estou dizendo que as pessoas vão poder “magicamente” comprar tudo que querem, gastarem como quiserem. Isso é irreal. Eu me refiro as limitações autoimpostas por achar que não tem dinheiro pra nada. Basta abrir mão de pequenos luxos desnecessários e muitas portas se abrirão. Não tem dinheiro para um curso? Economize. Não consegue pagar academia? Vai correr no parque. Não tem dinheiro para mandar pintar a casa? Chame seus amigos e faça um mutirão.
  5. Não sei, não posso, não consigo. Esta é uma “sentença de morte” pra muita gente. Uma pena. Não sabe? Aprenda. Não consegue? Peça ajuda. Não pode? Fale com quem pode. Não se pode ficar paralisado por este pensamento, por este padrão, por esta crença. Somos virtualmente ilimitados. Tudo que se manifesta fisicamente é primeiro criado em nossa mente.

Gostou do conteúdo? Curta, compartilhe. Você pode ajudar outras pessoas a se libertarem da cárcere dessas crenças.

Que você tenha uma vida extraordinária, a mais livre quanto possível, de crenças limitantes.

___________

Carlos Hoyos é Coach Executivo e Empresarial, especialista em elevação de performace e Networking Profissional. Ajuda empresários e líderes a levarem suas empresas, suas carreiras e seus negócios a novos patamares de sucesso e realização. Já liderou equipes e projetos multidisciplinares, multi-sites e multi-culturais na IBM Estados Unidos e Motorola Brasil.